Sem categoria

Fatia de Vento

Amá-la era o meu grande dilema. A dor era maior que a sensação de felicidade. Restava-me acreditar num sinal clarividente, num suspiro de sabedoria azul cristalino que me abrisse as pálpebras à força e me iluminasse a imundice cinzenta e mal resolvida de antigas guerras conjugais. Esse dia chegou. Quando terminámos senti-me aliviado. Um estranho conforto sorriu ao dar-me palmadinhas nas costas. Sem alternativa aparente gracejei-lhe de volta; esperem, juro que foi a primeira e última vez que o fiz. Dia após dia o Sol brilhava menos. Seria impressão minha? Talvez o último reduto do meu arrependimento me quisesse trair com a falta de vista. Comprei uns óculos. Em promoção é certo, armação em massa castanho-lagarto com nuances de verde-leopardo, pague um leve dois chegou para convencer a minha leviana resistência consumista. Por teimosia celestial quiçá, a verdade é que o Sol continuava a brilhar menos. Consultei um vidente. Curiosa a sessão paranormal na qual me vi inesperadamente envolvido. Por artes mágicas talvez, mas após uma comunicação invisível aos meus olhos foi-me garantida Felicidade eterna e um lugar ao sol em matéria financeira. O meu tímido otimismo sofreu uma ligeira abanadela, insuficiente porém, na missão de o despertar de um coma induzido por motivos emocionais. Senti-me enganado ao virar a primeira esquina. O Sol mantinha o seu escasso brilho no horizonte. A persistência é amiga do sucesso! rezam as lendas universais, no entanto, um mês significou para mim um espaço temporal dolorosamente assustador. A sofucante decadência com que, aos poucos, o brilho soalheiro se eclipsava estava a consumir a mísera fatia de amor próprio que me restava. A mesma que defendera com unhas e dentes nos últimos anos, confinada no meu mais profundo e inexplorado íntimo e escondida de todas as ameaças exteriores. Era preciso reagir. Mas reagir como? Essa era a questão. Procurar ajuda? O vidente saiu-me um fiasco. As lentes graduadas só acentuavam a impiedosa realidade – o Sol estava a desaparecer!… Com alguma relutância é certo, mas lá ganhei vergonha na cara e fui confessar-me. Ok… Não me olhem com essa cara, vá lá. Mais vale uma pequena dose de falsa fé e meia dúzia de pais nossos ao triunfo supremo e apocalítico da escuridão e o seu consequente reinado sombrio sobre a minha duvidável, mas ainda assim, desejada existência. O sermão durou pouco e para meu espanto, pouco habituado a tais lides, foi indolor. À sua boa maneira, a brisa católica soprou o seu magnético aroma sob a minha pele; mas nada conseguiu senão fazer-me pele de galinha. Abandonei a casa de (n)osso (s)enhor com aquela sensação comum que todos vós já experimentaram nalguma fase da vossa Vida – o medo. Parei num bar e arrisquei a inteligência num scotch de renome. A vertigem sempre me foi cativante. Existe na sua dupla face rosada uma hipnótica atração que me torna invencível por efémeros mas gratificantes instantes. Desconfio que não sou o único. Se for é um desperdício. O resultado foi e será sempre o mesmo. O abismo espiritual. Dormi na rua. O frio não fez mossa mas plantou semente. Três dias depois a cama de um hospital público servia de amparo num cenário delicioso. Ao menos trouxeram uma caixa de chocolates. Provei um. Sabia a morfina. As flores pareciam murchas. Desconfiei dessa verdade já que a falta de vista me fora impiedosamente comprovada por meio de letras longínquas e minúsculas muito recentemente. A alta veio numa segunda feira antipática e pouco social. A chuva brindou a minha extrema magreza ao abandonar o edifício melancólico. Por falar em melancolia, já vos falei da minha irmã Jacinta? Não lhe bastou o divórcio litigioso mal resolvido para agora voltar a recair no mundo negro e decadente do consumo de estupefacientes. Ainda esbocei uma intenção, mas a minha noção de misericórdia nunca foi, na devida altura, eficazmente instruída. A sua absorção foi nula. Sempre fui um puto genuinamente mau. Como estava a dizer, ainda esbocei a intenção, genuína atentem, de a visitar naquele antro de bom astral com paredes forradas de frases positivistas. Não o fiz confesso. Mas salva-se a intenção certo? O Sol andou ausente durante oito dias e dezoito horas. Quando decidiu mostrar a cara a culpa vinha-lhe esbanjada na matéria hidrogénica. Cada vez era mais notório. O Sol estava a morrer. Uma semana depois morri eu. Calma! Morri de amor. Essa morte já é aceitável não é? Já todos lhe provamos a textura suculenta. Nunca fez mal a ninguém. Não é nenhuma anormalidade. É tão somente a degradação lenta e silenciosa da matéria prima que compõe a Alma do homem. Quando dei por mim já não reconhecia o reflexo devolvido pelo espelho. O único índice de humanidade ali brotava-me do olhar na forma de um enfermo brilho, escasso, quase invisível. Uma mentirosa amostra daquele que lá residira outrora. Que me pertencera. O fim ficou mais próximo no dia em que a fome deixou de justificar a dolorosa distância entre a cama e a cozinha. Abrir os olhos passou a ser um desafio. Um dia lembrei-me de ir ver o Sol. Sem saber como cheguei à janela. Foi com a aspereza de um punhal a profurar a carne viva que constatei o que temia. O Sol morrera. A ausência do seu brilho devolveu o reino à escuridão. Quem diz que vê na escuridão mente. Eu não vi. E foi por não ver que me debrucei demasiado sobre a janela. A falta de alimento traiu o equilíbrio e a queda foi inevitável. O mergulho final é fugaz. Quase não o sentes. E eu? Bem… Antes de me ir tive apenas tempo de agarrar uma última fatia de vento.


Abel F. Damásio

Um comentário em “Fatia de Vento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s